Oficinas de Pêssankas entram na reta final

Acontecem, em novembro, as últimas edições das oficinas do projeto Pêssanka: ovos escritos, expressão da cultura ucraniana no Brasil. Nos dias 10 e 11 de novembro, as oficinas serão em Linha Vitória, no município de Cruz Machado. Já nos dias 15 e 16 serão realizadas as últimas oficinas, na Colônia Fluviópolis, no município de São Mateus do Sul, ambos no Paraná.

Oficina de Pêssankas

Oficina de Pêssankas

Ao todo, 23 comunidades do Paraná e de Santa Catarina participaram do projeto, que foi selecionado no edital PNPI 2011 do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). O projeto teve como objetivo pesquisar, registrar e difundir o conhecimento sobre essa arte, tão tradicional nas comunidades ucranianas rurais do Paraná e de Santa Catarina.

Além das oficinas, também foram realizadas ao longo do projeto palestras sobre o desenvolvimento do turismo e a continuidade da arte da pêssanka nas comunidades. Ao final das oficinas, os alunos estão deixando uma das pêssankas feitas para o futuro museu ucraniano, que está sendo planejado nas dependências do Centro de Eventos São Basílio Magno em União da Vitória.

Mais informações: www.culturaucraniana.com.br

Anúncios

Pêssankas: uma tradição passada de geração a geração

Desde maio de 2012, mais de 200 pessoas de 12 comunidades ucranianas do Paraná e de Santa Catarina já participaram das oficinas do projeto Pêssanka: ovos escritos, expressão da cultura ucraniana no Brasil. Estas pequenas obras de arte fazem parte de um dos mais bonitos costumes trazidos pelos imigrantes ucranianos que vieram para o Brasil no final do século 19. Nos ovos, cada traço, figura ou cor pode ter um significado especial que expressa o carinho daquele que faz da pêssanka um presente cheio de boas intenções.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Segundo o coordenador do projeto, Vilson José Kotviski, a pêssanka é uma arte que merece ser preservada. “O projeto está sendo um impulso muito grande em toda a nossa região. Creio que assim como eu tive oportunidade de aprender, tenho o dever de transmitir essa tradição maravilhosa a todos que tenham interesse e é uma alegria ver os jovens animados e surpresos em perceber a sua capacidade”, enfatiza.

Continuar lendo