Trabalhos retratam culturas tradicionais no Paraná

Dois trabalhos lançados pela pesquisadora e educadora  Lia Marchi foram destaque no fim de 2012 por retratar aspectos da cultura do interior do Paraná pouco conhecidos pelo público em geral. O primeiro é o documentário João Surá – música tradicional no quilombo.

O vídeo discorre sobre a vida e as tradições de 40 famílias da comunidade de João Surá, localizada na região do Vale do Ribeira, no nordeste do Paraná. Segundo a pesquisadora, a dificuldade de acesso para chegar a Comunidade Quilombola João Sura – onde é preciso passar por uma estrada de terra de cerca de 60 quilômetros – favoreceu a manutenção de celebrações tradicionais do quilombo, que já tem mais de 206 anos de existência. Entre as tradições retratadas pelo documentário estão a folia do Divino, a dança de São Gonçalo, a encomendação de almas e a festa de Santo Antônio – padroeiro do quilombo.

O outro trabalho lançado recentemente por Lia é o livro Folias do Norte do Paraná. O projeto é o resultado de uma extensa pesquisa realizada entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011, documentando a atuação de nove companhias de Reis do Norte do Paraná com o objetivo de registrar em áudio, foto e vídeo as práticas e os saberes desses grupos. Quem quiser conhecer mais sobre o projeto pode acessar o site www.foliasnorteparana.com.br.

 Obras: João Surá / Folias do Norte do Paraná

Continuar lendo

Anúncios

Muito além das histórias de pescador

“A tainha parece que tem ouvido e vê tudo”. Assim começa a narrativa do Seu Carlinhos, pescador da praia de Encantadas, na Ilha do Mel, ensinando que o ofício da pesca é também um aprendizado sobre o comportamento do peixe. Todos os anos, durante os meses de maio a junho, ele pede licença do trabalho e passa alguns dias no Morro do Sabão observando os cardumes que “batem” em Encantadas ou “seguem seu prumo”.

Além do Seu Carlinhos, cerca de 30 pescadores acampam na Praia do Miguel para a prática do ofício. É tempo de espera. Quem pode, permanece na praia cuidando do movimento das tainhas. Quem não pode, vai e volta conforme chegam os avisos de cardumes. Uma tradição que pode estar “em seus últimos anos”, conforme anunciam os próprios pescadores.

Para registrar esta e outras histórias, uma equipe formada por três antropólogas, um historiador, um documentarista e fotógrafos se revezaram em campo, entre os meses de maio e setembro de 2011. A pesquisa, que fez parte do INRC de Paranaguá – etapa Ilha do Mel, teve como foco o registro do lanço da tainha, incluindo as relações e interações sociais, além das narrativas e memórias ligadas à pesca artesanal.

O INCR, ou Inventário Nacional de Referências Culturais, é uma das ferramentas mais importantes para se conhecer a realidade de alguns lugares onde se concentram práticas coletivas de nossa cultura. O resultado desta pesquisa pode ser conferido no livro A Pesca da Tainha na Ilha do Mel: Territorialidades, Sociabilidades e Técnicas. INRC de Paranaguá/2011, que será lançado pelo Iphan/PR no dia 19 de dezembro.

INRC PARANAGUÁ

Serviço

Lançamento do livro A Pesca da Tainha na Ilha do Mel: Territorialidades, Sociabilidades e Técnicas. INRC de Paranaguá/2011
Local: Escola Rural Municipal Teodoro Valentim – Encantadas, Ilha do Mel – Paranaguá
Data: 19 de dezembro
Horário: 14h30

Mais informações: 3264-7971 – Iphan/PR