Oficina Memória e História – as relações entre a história oficial e a memória urbana da Lapa

No dia 15 de abril de 2016, foi realizada a oficina Memória e História – as relações entre a história oficial e a memória urbana da Lapa, ministrada pelo professor Ederson Santos Lima, na Casa do Patrimônio da Lapa, uma ação promovida em parceria pelo Instituto Federal do Paraná – IFPR e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan.

D

Na oficina os participantes foram convidados a refletir sobre o que é Memória e História. São sinônimos? São complementares? São concorrentes? Por que tanta necessidade de História e lugares de memória nos dias atuais? Como as mudanças rápidas promovidas pelas novas tecnologias criam novas formas de sociabilidade, que interferem na interação geracional, na transmissão de saberes, e no processo natural de esquecimento?

Para ajudar a pensar tais questões, alguns autores foram mobilizados, tais como: Eric Hobsbawm, Pierre Nora, Maurice Halbwachs e José Murilo de Carvalho.

C

Temas como a invenção de tradições e a construção de heróis balizaram as discussões, e a todo o momento os participantes eram incentivados a buscar as conexões com a história e a memória da Lapa. Foi debatido, por exemplo, como a figura do General Carneiro toma determinada importância e passa inclusive a dar nome a praça da Igreja Matriz de Santo Antônio, que antes se chamava Praça Coronel Eduardo Correia. Como esse processo se deu? Como a história do Cerco da Lapa marca os lugares e as narrativas sobre a cidade? O que era a cidade da Lapa antes de 1894, antes do cerco? Por que essa história anterior à Revolução Federalista não é difundida?

119 (2)

Foto: Guilherme Glück. (Acervo do Museu da Imagem e do Som / PR)

Por meio de fotografias antigas, os participantes identificaram o que permanece e o que não mais existe, aquilo que desapareceu com o tempo e o que foi preservado. “Quem morava ali? O que funcionava naquele lugar? Por que o imóvel foi demolido? Olha como as pessoas se vestiam! Não tinha aquela porta pra rua!” Entre perguntas, comentários, momentos de surpresa e nostalgia, os participantes se depararam com passagens da história da Lapa ainda pouco conhecidas, como a foto dos “Cruzadinhos”. Ou mesmo a história do médico Dr. Manoel Pedro, que dá nome ao grupo escolar desde o ano de 1900.

A oficina tomou a rua, e uma caminhada pelo Centro Histórico abriu-se para a experiência sensorial com a cidade e suas múltiplas temporalidades. Os participantes observaram as mudanças no espaço e as alterações de uso dos imóveis. E muitas histórias e memórias individuais foram contadas e compartilhadas com o grupo.

Agradecemos a todos os participantes, professoras e funcionários dos museus que estavam nesse encontro. E esperamos revê-los na próxima oficina!

Oficina: Guilherme Glück – a memória fotográfica da Lapa

Dia 29/04 sexta-feira, das 9h às 17h, na Casa Lacerda

Atividade gratuita

Mai informações: oficinasdacasalacerda@gmail.com

Livro sobre pêssankas contribui para a preservação e difusão da cultura ucraniana no Brasil

Obra contém 146 páginas que mostram em textos e fotografias dessa arte que chegou ao Brasil no fim do século XIX por meio da imigração ucraniana

Pêssanka, ovos escritos, expressão da cultura ucraniana no Brasil foi lançado dia 15 de novembro, na sede do Clube Ucraniano, no município de União da Vitória. O livro é resultado de projeto financiado pelo edital do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI), instituído pelo Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e execução do Folclore Ucraniano Kalena.  O lançamento da obra teve apoio da Academia de Cultura Precursora da Expressão – Acupre.

De acordo com o coordenador do livro, Vilson José Kotviski, os objetivos da publicação são resgatar, difundir, transmitir e preservar esta secular tradição ucraniana. “Durante o ano passado, a equipe do projeto visitou 20 colônias ucranianas no Paraná e Santa Catarina, buscando na memória dos imigrantes e descendentes os processos de feitura das pêssankas”, explicou. A iniciativa também realizou oficinas que ensinaram as técnicas da escrita nos ovos, com a participação de 380 alunos. O livro contém 146 páginas que mostram em textos e fotografias da arte que chegou ao Brasil no fim do século XIX por meio da imigração ucraniana.

Kotviski destacou que o projeto contou com o envolvimento de mais de 500 pessoas. “A obra traz a público as etapas de desenvolvimento e os resultados do projeto. Acreditamos que poderá contribuir para a valorização da cultura dos imigrantes ucranianos e seus descendentes, bem como fortalecer os laços comunitários, a continuidade da arte da pêssanka e o desdobramento de futuras pesquisas”.

A solenidade de lançamento do livro contou com a presença do historiador Juliano Martins Doberstein, do IPHAN do Paraná, do prefeito de União da Vitória, Pedro Ivo Ilkiv, do presidente da Representação Central Ucraniana-Brasileira, Vitório Sorotiuk, da cantora Ruslana, uma das vozes mais populares do cenário musical da Ucrânia, membros do Folclore Ucraniano Kalena, da equipe do projeto do livro, moradores e do folclore infantil do grupo Kalena, que fez apresentações de dança no evento.

Para Juliano Doberstein, o universo descrito no livro possibilita o registro das tradições ucranianas para as futuras gerações e o seu fortalecimento. Vitório Sorotiuk lembrou que a obra é uma forma de preservar a cultura da Ucrânia no Brasil. Disse que, a partir desta iniciativa e de outras que já existem, visando à preservação da cultura ucraniana, solicitará que as pêssankas, a exemplo da capoeira e do samba, sejam reconhecidas como patrimônio cultural brasileiro. O prefeito Pedro Ilkiv afirmou que a publicação será uma referência da cultura ucraniana no Paraná  e um incentivo para os jovens preservá-la.

FICHA TÉCNICA

Pêssanka – ovos escritos, expressão da cultura ucraniana no Brasil

Coordenação geral dos textos – Vilson José Kotviski

Fotografias – João Marcos Hunhevicz e Lucio Kurten dos Passos

Capa e produção gráfica – Luciane Mormello Gohl e Fernando Cesar Gohl

Acompanhamento técnico e revisão de textos – Janaína dos Santos Moscal, Juliano Martins Doberstein e Lia Mity Ono

Impressão – Gráfica Editora Kaygangue Ltda

146 páginas

ISBN 978-86-89625-32-6

Novo Conceito – Assessoria em Comunicação
Jornalista responsável e fotos
Maria Isabel Maranhão Ritzmann – MTB 5838

Texto: Ana Maria Ferrari

23° Festival de Inverno da UFPR em Antonina

cabecalho23fest

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional realizará a oficina

Patrimônio Cultural – Cores de Antonina

no 23° Festival de Inverno da UFPR, organizado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal do Paraná,  entre os dias 13 e 20 de julho na cidade de Antonina.

A oficina compreende uma série de encontros com os técnicos do Iphan – dos setores de Arquitetura, Arqueologia, Patrimônio Imaterial e Educação Patrimonial – para compartilhar conceitos e visões que orientam a política nacional de preservação do patrimônio cultural brasileiro e os desafios enfrentados na prática institucional.

Parte da oficina se concentra no debate sobre o tombamento do conjunto urbano de Antonina, parâmetros para a conservação de imóveis em áreas tombadas e requalificação urbana.

Será uma grande oportunidade de encontrarmos com os moradores da cidade, estudantes e cidadãos interessados na preservação e difusão do nosso patrimônio cultural.

Nos vemos lá!

Oficina Patrimônio Cultural – Cores de Antonina

inscrições de 01 a 09 de julho

acesse: 23° Festival de Inverno da UFPR

Programação

Dia 15/07

  • Apresentação da oficina
  • O que é Patrimônio Cultural?
  • Trajetória de atuação do Iphan no Paraná

 Dia 16/07

  • Porque Antonina foi tombada como patrimônio cultural nacional?
  • Posso intervir em um prédio histórico? Como?
  • Atividade prática: Jogo do Patrimônio

 Dia 17/07

  • Um olhar sobre Antonina: saída a campo
  • Apresentação de fotos antigas de Antonina (trazidas por moradores)
  • Atividade prática:  Cores de Antonina (experimentação de cores e combinações para as fachadas dos imóveis históricos).

Dia 18/07

  • O que é Arqueologia? Perspectivas sobre a Arqueologia no Paraná
  • Como o Iphan atua para a preservação do patrimônio arqueológico?
  • Atividade prática com argila

 Dia 19/07

  • Patrimônio Imaterial: instrumentos e perspectivas atuais para a salvaguarda de bens de natureza imaterial (festas, celebrações, formas de expressão, saberes e ofícios, lugares).
  • Apresentação dos INRC’s (Inventário Nacional de Referências Culturais) desenvolvidos pelo Iphan no Paraná.
  • Montagem de painel com os trabalhos desenvolvidos pelo grupo durante a oficina.

Informações complementares:

  • Público Adulto
  • 20 vagas
  • Horários: de segunda a sexta, das 13h30 às 17h30.

Iphan abre inscrições para processo seletivo do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural

Pep

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional lançou o Edital de Seleção do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural do IPHAN (PEP/MP/IPHAN) – 2013, que oferece 20 bolsas de estudos.

O Mestrado Profissional destina-se a formar, durante 24 meses, profissionais graduados em diversas áreas de conhecimento para atuarem no campo da preservação do patrimônio cultural. O curso associa as práticas de preservação nas unidades da Instituição, distribuídas no território nacional, ao aprendizado teórico-metodológico e à pesquisa.

As inscrições estão abertas até o dia 30 de abril de 2013 e o início das atividades dos candidatos selecionados será dia 01 de agosto de 2013, conforme determinações do Edital do PEP/MP/IPHAN, disponível no Portal do IPHAN: www.iphan.gov.br.

Fonte: Ascom – Copedoc

Oficinas de Educação Patrimonial e aplicação do Jogo do Patrimônio

Confira a galeria de fotos das Oficinas de Educação Patrimonial realizadas nos dias 6 e 7 de fevereiro em Antonina.

As oficinas fazem parte de uma parceria entre o Iphan/PR e o Núcleo Regional de Educação / SEED e contaram com a aplicação do Jogo do Patrimônio, baseado nos princípios do RPG (Role-Playing Game), que mistura estratégia e imaginação. Nele, os jogadores interpretam personagens que vivem em uma cidade imaginária prestes a ser tombada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Educação Patrimonial – Curitiba em seu tempo

Ciclo de Palestras "Curitiba em seu tempo"

Ciclo de Palestras “Curitiba em seu tempo”

O Sesc Paço da Liberdade oferece gratuitamente ao público o Ciclo de Palestras “Curitiba em seu tempo”, apresentando obras relacionadas à historicidade curitibana.

Os colaboradores da coleção A Capital, viabilizada por meio da Factum Pesquisas Históricas, irão apresentar as diferentes perspectivas que contemplam o conteúdo de suas obras.

O primeiro trabalho foi apresentado no dia 31 de janeiro e as próximas palestras acontecerão nos dias 26 de fevereiro e 28 de março.

Confira a programação abaixo:

31 de janeiro 2013

Ecos do tempo perdido: fragmentos da gênese de uma temporalidade moderna
Autor: Vidal Antonio Azevedo Costa (Doutor em História pela UFPR)

Resumo: ao questionar o passado recente a partir do imaginário, esta obra propicia o entendimento da experiência vivenciada pelos curitibanos da belle-époque, quando, distantes dos cenários dos conflitos bélicos que tanto marcaram o século XX, deles se aproximaram como testemunhos do imaginário, por meio da leitura do noticiário impresso e das idas aos cinemas.

26 de fevereiro 2013

O espelho e a miragem: ecletismo, moradia e modernidade na Curitiba do inicio do século XX
Autor: Marcelo Sutil (Doutor em História pela UFPR)

Resumo: entre os séculos XIX e XX, Curitiba cresceu e se urbanizou mais do que nos duzentos anos anteriores. Residências luso-brasileiras cederam lugar à arquitetura eclética, sinônimo de modernidade. Em pouco tempo, não apenas a elite, mas todas as classes sociais construíam sob a inspiração eclética, que marcou a paisagem urbana da capital paranaense do começo do século XX.

28 de março 2013

A arquitetura resultante da preservação do patrimônio edificado em Curitiba.
Autor: Jeferson Dantas Navolar (Mestre em Arquitetura pela URDA, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo/PR)

Resumo: a obra se volta para a produção da arquitetura de Curitiba, sua preservação, conservação e restauro; ações estas envoltas de maneira irresistível em polêmicas por envolver as políticas públicas voltadas ao patrimônio edificado de Curitiba, colocando em toco a arquitetura daí resultante, a qual, por sua vez, faz engrenar a política patrimonial em suas faces de conservação e preservação.

Horário das palestras: 19h às 21h
Local: Sesc Paço da Liberdade – Sala de Atos Praça Generoso Marques, Centro
45 vagasAcesso gratuito mediante inscrição junto ao Serviço de Atendimento ao Cliente. Necessário a apresentação do Cartão do Cliente SESC Paraná na inscrição deste evento.

Paço da Liberdade

Em 2011 o Sesc-PR teve o projeto ‘Educação patrimonial – Paço da Liberdade’ indicado ao Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, que valoriza o patrimônio histórico e cultural do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Construído em 1916 para abrigar a primeira sede da Prefeitura Municipal de Curitiba, o Paço da Liberdade se mostrou um projeto inovador que culminou em um ícone da sociedade curitibana. Inicialmente localizado onde funcionava a cadeia da cidade, estabeleceu-se como Mercado Municipal e então foi transformado no espaço no qual hoje se desfruta de arte, cultura e lazer. Após sediar o Museu Paranaense (entre os anos de 1969 e 1998) e passar por um longo período de abandono (entre 2002 e 2006), o sistema Sesc Paraná assumiu o compromisso de recuperá-lo, sendo reinaugurado no dia 29 de março de 2009, após quase três anos de um delicado processo de restauro.

Tombado pelas três instâncias do Patrimônio Histórico (municipal, estadual e federal), a construção de 2.205 m² abriga biblioteca, sala de internet livre, café cultural e musical, estúdio de gravação, sala de atos para apresentações musicais e teatrais, laboratório de artes eletrônicas para criação e edição de materiais de som e vídeo, espaço de exposições, sala de aula para cursos de artes e comunicação e uma sala de cinema com exibições de vídeos, filmes não-comerciais, mostras paralelas e produções paranaenses.

A ocupação deste espaço exige do Sesc Paraná um novo olhar sobre a questão da preservação do patrimônio histórico de Curitiba, iniciando pelas ações voltadas à mobilização da população sobre a importância de se reconhecer, preservar e ter acesso ao acervo existente.

Sesc Paço da Liberdade

Endereço: Praça Generoso Marques, 180

E-mail: pacodaliberdade@sescpr.com.br

Telefone: (41) 3234-4200

Oficinas debatem cidadania e preservação do patrimônio cultural em Antonina

Antonina

Antonina

Educadores da rede pública de ensino de Antonina, município do litoral do Paraná, irão participar durante o mês de fevereiro de oficinas de Educação Patrimonial. O objetivo é conhecer melhor o processo de tombamento histórico do município e quais os direitos e deveres de quem vive, estuda ou trabalha nas áreas tombadas. O centro histórico da cidade e o complexo das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo (IRFM) foram tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em janeiro de 2012.

As oficinas irão acontecer nos dias 06 e 07 de fevereiro, das 9h às 18h. Além de discutirem sobre noções e ferramentas de Preservação do Patrimônio Cultural, os participantes das oficinas também irão conhecer o Jogo do Patrimônio, uma forma lúdica de aplicação dos conceitos aprendidos. Este jogo é baseado nos princípios do RPG (Role-Playing Game), que mistura estratégia e imaginação. Nele, os jogadores interpretam personagens que vivem em uma cidade imaginária prestes a ser tombada.

As oficinas fazem parte de uma parceria entre o Iphan/PR e o Núcleo Regional de Educação / SEED. Segundo a responsável pelo setor de Educação Patrimonial, Lia Ono, ações como essas são fundamentais para refletir com a comunidade escolar e os moradores de Antonina os sentidos de se preservar e valorizar os centros históricos de nossas cidades. E como essas ações estão relacionadas com a construção da memória coletiva e fortalecimento de nossas identidades, assim como podem ser vetor de desenvolvimento para as cidades.“As oficinas de fevereiro são direcionadas a educadores da rede pública estadual,mas já estamos programando outras oficinas para gestores do município e moradores interessados. Assim vamos formando aos poucos uma rede de cooperação para a preservação do nosso patrimônio cultural”, finaliza.

Serviço

Oficinas de Educação Patrimonial e aplicação do Jogo do Patrimônio
para professores da rede pública de ensino de Antonina-PR
40 vagas

Datas e locais:
06/02, das 9h às 18h: Oficina para as Escolas Brasílio Machado e Rocha Pombo
Local: Anfiteatro da Escola Brasílio Machado

07/02, das 9h às 18h: Oficina para a Escola Moisés Lupion
Local: Auditório da Escola Moisés Lupion

Mais informações: Iphan/PR – (41) 3264-7971