23° Festival de Inverno da UFPR em Antonina

cabecalho23fest

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional realizará a oficina

Patrimônio Cultural – Cores de Antonina

no 23° Festival de Inverno da UFPR, organizado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal do Paraná,  entre os dias 13 e 20 de julho na cidade de Antonina.

A oficina compreende uma série de encontros com os técnicos do Iphan – dos setores de Arquitetura, Arqueologia, Patrimônio Imaterial e Educação Patrimonial – para compartilhar conceitos e visões que orientam a política nacional de preservação do patrimônio cultural brasileiro e os desafios enfrentados na prática institucional.

Parte da oficina se concentra no debate sobre o tombamento do conjunto urbano de Antonina, parâmetros para a conservação de imóveis em áreas tombadas e requalificação urbana.

Será uma grande oportunidade de encontrarmos com os moradores da cidade, estudantes e cidadãos interessados na preservação e difusão do nosso patrimônio cultural.

Nos vemos lá!

Oficina Patrimônio Cultural – Cores de Antonina

inscrições de 01 a 09 de julho

acesse: 23° Festival de Inverno da UFPR

Programação

Dia 15/07

  • Apresentação da oficina
  • O que é Patrimônio Cultural?
  • Trajetória de atuação do Iphan no Paraná

 Dia 16/07

  • Porque Antonina foi tombada como patrimônio cultural nacional?
  • Posso intervir em um prédio histórico? Como?
  • Atividade prática: Jogo do Patrimônio

 Dia 17/07

  • Um olhar sobre Antonina: saída a campo
  • Apresentação de fotos antigas de Antonina (trazidas por moradores)
  • Atividade prática:  Cores de Antonina (experimentação de cores e combinações para as fachadas dos imóveis históricos).

Dia 18/07

  • O que é Arqueologia? Perspectivas sobre a Arqueologia no Paraná
  • Como o Iphan atua para a preservação do patrimônio arqueológico?
  • Atividade prática com argila

 Dia 19/07

  • Patrimônio Imaterial: instrumentos e perspectivas atuais para a salvaguarda de bens de natureza imaterial (festas, celebrações, formas de expressão, saberes e ofícios, lugares).
  • Apresentação dos INRC’s (Inventário Nacional de Referências Culturais) desenvolvidos pelo Iphan no Paraná.
  • Montagem de painel com os trabalhos desenvolvidos pelo grupo durante a oficina.

Informações complementares:

  • Público Adulto
  • 20 vagas
  • Horários: de segunda a sexta, das 13h30 às 17h30.
Anúncios

Centro Histórico de Paranaguá

Este slideshow necessita de JavaScript.

Paranaguá é uma cidade portuária e foi o primeiro núcleo urbano a se formar no estado do Paraná. Em dezembro de 2009, teve seu centro histórico tombado pelo Iphan. A área protegida apresenta importantes exemplares da arquitetura colonial brasileira, como as construções da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas e o Colégio dos Jesuítas. Destaque também para o conjunto de sobrados da Rua da Praia, típicas moradias de quem detinha o poder econômico no final do século XVI. Outras influências estéticas, como o neoclassicismo, foram absorvidas e podem ser observadas no prédio da Câmara Municipal e no Palacete Visconde de Nácar.

Centro Histórico da Lapa

Tombado em 1992 – homologado em 1998

Localizada nos Campos Gerais do Paraná, a cidade da Lapa origina-se dos acampamentos tropeiros. Foi cenário de batalhas significativas, como a Guerra do Contestado e o episódio conhecido como o “Cerco da Lapa”. Este último, em 1984, refere-se aos 26 dias de luta e resistência do exército florianista comandado pelo Gal. Gomes Carneiro contra as forças federalistas do Rio Grande Sul. O conjunto urbano tombado apresenta imóveis de várias correntes arquitetônicas, como a luso-brasileira, a arquitetura do imigrante e edificações ecléticas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Centro Histórico de Antonina

Determinante para a ocupação do território, o ambiente natural formado pela Serra do Mar e pela Baía de Paranaguá integra-se harmoniosamente à paisagem urbana de Antonina – qualidade rara, que revela grande potencial para o desenvolvimento social da cidade. Sua importância histórica está vinculada ao chamado “primeiro ciclo do ouro no Brasil”, anterior à exploração nas Minas Gerais. O centro histórico de Antonina apresenta edifícios com características do colonial brasileiro, eclética e art-deco. Por seus valores históricos e paisagísticos, o centro histórico de Antonina foi tombado pelo IPHAN em 2012. Inclui-se na área protegida, um raro exemplar da arquitetura industrial do início do século XX, conhecido como Complexo Matarazzo, que representa a fase áurea da industrialização e atividade portuária no Paraná.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Convocatória PRODOC – Arquitetura e Urbanismo ou Engenharia Civil

UNESCOA Superintendência do Iphan no Paraná abriu convocatória para seleção de 1 (um) profissional da área de Arquitetura e Urbanismo, ou Engenharia Civil, com experiência mínima de 1 (um) ano em elaboração de projetos, orçamentos, supervisão e acompanhamento de obras de restauro.

Caberá ao profissional contratado desenvolver atividades relacionadas ao PAC das Cidades Históricas no município de Antonina, portanto, a candidatura exige disponibilidade para viajar.

Os interessados devem encaminhar currículo até o dia 10 de maio de 2013 para selecao.prodoc@gmail.com, indicando o nº do edital (Edital n° 05/2013 projeto 914BRZ4011)  e perfil da vaga (Perfil: IPHAN/SE – PR).

Para maiores informações, leia o edital:  914brz4011 – edital 05.2013

Você também pode ter acesso a outras convocatórias através do site da UNESCO.

Mesa Redonda: História, Memória e Imagem

MESA.REDONDA_Exposição.flyer

O evento integra a exposição “Anos 50 – Identidades”, aberta ao público na Casa  Romário Martins, no Largo da Ordem.

Por meio de fotografias, vídeos e objetos, esta exposição apresenta um período de intenso crescimento da cidade de Curitiba, levado a cabo por um projeto político “modernizante”. Os primeiros arranha-céus, o Palácio Iguaçu e o Centro Cívico são exemplos dessa expansão urbana.

O governo da época também tentou propagar a ideia de um Paraná mais europeu, de população loira e branca, que não correspondia à realidade. Dessa forma, buscavam apagar os traços constitutivos de nossas identidades.

Um dos objetivos da exposição é, portanto, mostrar como o processo de miscigenação de vários povos (indígenas, afrodescendentes, japoneses, ucranianos, entre outros) marcava as fisionomias, emoldurando a diversidade cultural dos paranaenses.

Mesa Redonda: História, Memória e Imagem

Dia 13/05 às 19h00 no Memorial de Curitiba.

 

Serviço:

Exposição “Anos 50 – Identidades”

Concepção: Magnus Roberto de Mello Pereira

Curadoria: Ana Lúcia Rocha Barbalho da Cruz

Design: Lai Bottmann Pereira

 

Local: Casa Romário Martins (no Largo da Ordem)

Horários: terça a sexta, 9h às 12h e 13h às 18h.

sábados, domingos e feriados: 9h às 14h

Entrada Gratuita

Livro A Arquitetura Italiana em Curitiba será lançado na próxima quarta-feira

PrintLivro A Arquitetura Italiana em Curitiba será lançado no dia 03/04

Estudo resgata as influências arquitetônicas trazidas pelos imigrantes italianos às construções de Curitiba

Fruto de extensa pesquisa realizada pelos arquitetos Ana Carolina Mazzarotto e Fábio Domingos Batista, o livro A arquitetura Italiana em Curitiba traz como tema principal as edificações dos imigrantes italianos na região de Curitiba, entre o período de 1870 a 1930. O objetivo principal do estudo é a preservação de uma memória construtiva curitibana que se relaciona com a paisagem de uma cidade em transformação, ainda com fortes características rurais.

Após ampla pesquisa histórica e bibliográfica os autores dividiram o trabalho de execução e produção do livro em três etapas. Na primeira foram analisados os remanescentes da arquitetura do imigrante italiano em Curitiba, especificamente a arquitetura residencial e arquitetura sacra. Também foi pesquisado o Panteão do Cemitério de Santa Felicidade, devido a sua singularidade.

Para a segunda etapa, os autores realizaram estudos na Itália com o objetivo de buscar as referências construtivas existentes no período da emigração. Foi realizado um levantamento na Região do Vêneto, nas cidades de origem da grande maioria dos imigrantes que se fixaram em Curitiba. Este estudo possibilitou a análise comparativa entre a arquitetura produzida na Itália e a arquitetura do imigrante italiano em terras curitibanas, que foi realizado durante a terceira etapa.

O livro proporciona uma visão técnica sobre a produção arquitetônica destes imigrantes e possibilita ao leitor um passeio por uma Curitiba do passado, ainda com traços rurais e com uma população estrangeira em processo de assimilação. Os poucos remanescentes desta ocupação estão hoje presentes em alguns bairros da cidade. São em sua maioria velhos casarões de tijolos, construídos ao longo das antigas estradas rurais. E também igrejas com altas torres sineiras, destacadas do edifício sacro, construídas ao modo vêneto e seguindo a tradição ancestral.

 

LANÇAMENTO:

Data: 03 de abril de 2013

Local: CAIXA Cultural

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280 –Curitiba (PR)

Hora: 20:00

EXPOSIÇÕES:

22 de março a 02 de abril de 2013

Farol do Saber Aparecido Quináglia

Rua Alcides Darcabchy, s/n – Santa Felicidade – Curitiba

Farol do Saber Machado de Assis

Rua Arthur Leining, 635 – Vista Alegre – Curitiba

02 a 09 de abril de 2013

Farol do Saber São Pedro e São Paulo

Rua Luiz Nichele, 99 – Umbará – Curitiba

Farol do Saber Dante Alighieri

Rua Zem Bertapelle, 55 – Santa Felicidade – Curitiba

09 a 16 de abril de 2013

Farol do Saber Aristides Vinholes

Rua 1° de Maio, 1206 – Xaxim – Curitiba

Farol do Saber Tom Jobim

Rua Curupatis, 1449 – Santa Quitéria – Curitiba

16 a 23 de abril de 2013

Farol do Saber Rocha Pombo

Rua Itacolomi, 700 – Portão – Curitiba

Farol das Cidades

Praça da Pedreira Paulo Leminski – Pilarzinho – Curitiba

Novos olhares por Curitiba

brasão com carneiros(r. Brig. Franco)

brasão com carneiros
(r. Brig. Franco)

sino e cavalo(r. Júlia da Costa)

sino e cavalo
(r. Júlia da Costa)

estêncil: “Branca Terrorista”?(r. José Nicolau Abagge)

estêncil: “Branca Terrorista”?
(r. José Nicolau Abagge)

Uma caminhada especial irá reunir neste fim de semana, em Curitiba, dezenas de pessoas apaixonadas por fotografia, arquitetura, paisagismo e história. Trata-se da X Caminhada Observacional, um evento que tem como objetivo exercitar o senso de observação dos participantes, apontando durante o trajeto para os diversos tipos de construções de casas existentes, recursos de arborização, criatividade das fachadas, dentre outros aspectos.

A caminhada irá acontecer no sábado, dia 16 de janeiro, a partir das 14h. A saída será na praça 29 de Março, no bairro Mercês, e o tempo de percurso está estimado em 4 horas. As inscrições são gratuitas. Para registro, os participantes podem levar prancheta portátil, câmera fotográfica, filmadora ou gravador de áudio. É importante lembrar de vestir calçados confortáveis e levar protetor solar, água potável e lanche individual.

Mais informações e o mapa com o trajeto a ser percorrido podem ser conferidos neste arquivo PDF: Caminhada-Observacional-10

Educação Patrimonial – Curitiba em seu tempo

Ciclo de Palestras "Curitiba em seu tempo"

Ciclo de Palestras “Curitiba em seu tempo”

O Sesc Paço da Liberdade oferece gratuitamente ao público o Ciclo de Palestras “Curitiba em seu tempo”, apresentando obras relacionadas à historicidade curitibana.

Os colaboradores da coleção A Capital, viabilizada por meio da Factum Pesquisas Históricas, irão apresentar as diferentes perspectivas que contemplam o conteúdo de suas obras.

O primeiro trabalho foi apresentado no dia 31 de janeiro e as próximas palestras acontecerão nos dias 26 de fevereiro e 28 de março.

Confira a programação abaixo:

31 de janeiro 2013

Ecos do tempo perdido: fragmentos da gênese de uma temporalidade moderna
Autor: Vidal Antonio Azevedo Costa (Doutor em História pela UFPR)

Resumo: ao questionar o passado recente a partir do imaginário, esta obra propicia o entendimento da experiência vivenciada pelos curitibanos da belle-époque, quando, distantes dos cenários dos conflitos bélicos que tanto marcaram o século XX, deles se aproximaram como testemunhos do imaginário, por meio da leitura do noticiário impresso e das idas aos cinemas.

26 de fevereiro 2013

O espelho e a miragem: ecletismo, moradia e modernidade na Curitiba do inicio do século XX
Autor: Marcelo Sutil (Doutor em História pela UFPR)

Resumo: entre os séculos XIX e XX, Curitiba cresceu e se urbanizou mais do que nos duzentos anos anteriores. Residências luso-brasileiras cederam lugar à arquitetura eclética, sinônimo de modernidade. Em pouco tempo, não apenas a elite, mas todas as classes sociais construíam sob a inspiração eclética, que marcou a paisagem urbana da capital paranaense do começo do século XX.

28 de março 2013

A arquitetura resultante da preservação do patrimônio edificado em Curitiba.
Autor: Jeferson Dantas Navolar (Mestre em Arquitetura pela URDA, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo/PR)

Resumo: a obra se volta para a produção da arquitetura de Curitiba, sua preservação, conservação e restauro; ações estas envoltas de maneira irresistível em polêmicas por envolver as políticas públicas voltadas ao patrimônio edificado de Curitiba, colocando em toco a arquitetura daí resultante, a qual, por sua vez, faz engrenar a política patrimonial em suas faces de conservação e preservação.

Horário das palestras: 19h às 21h
Local: Sesc Paço da Liberdade – Sala de Atos Praça Generoso Marques, Centro
45 vagasAcesso gratuito mediante inscrição junto ao Serviço de Atendimento ao Cliente. Necessário a apresentação do Cartão do Cliente SESC Paraná na inscrição deste evento.

Paço da Liberdade

Em 2011 o Sesc-PR teve o projeto ‘Educação patrimonial – Paço da Liberdade’ indicado ao Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, que valoriza o patrimônio histórico e cultural do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Construído em 1916 para abrigar a primeira sede da Prefeitura Municipal de Curitiba, o Paço da Liberdade se mostrou um projeto inovador que culminou em um ícone da sociedade curitibana. Inicialmente localizado onde funcionava a cadeia da cidade, estabeleceu-se como Mercado Municipal e então foi transformado no espaço no qual hoje se desfruta de arte, cultura e lazer. Após sediar o Museu Paranaense (entre os anos de 1969 e 1998) e passar por um longo período de abandono (entre 2002 e 2006), o sistema Sesc Paraná assumiu o compromisso de recuperá-lo, sendo reinaugurado no dia 29 de março de 2009, após quase três anos de um delicado processo de restauro.

Tombado pelas três instâncias do Patrimônio Histórico (municipal, estadual e federal), a construção de 2.205 m² abriga biblioteca, sala de internet livre, café cultural e musical, estúdio de gravação, sala de atos para apresentações musicais e teatrais, laboratório de artes eletrônicas para criação e edição de materiais de som e vídeo, espaço de exposições, sala de aula para cursos de artes e comunicação e uma sala de cinema com exibições de vídeos, filmes não-comerciais, mostras paralelas e produções paranaenses.

A ocupação deste espaço exige do Sesc Paraná um novo olhar sobre a questão da preservação do patrimônio histórico de Curitiba, iniciando pelas ações voltadas à mobilização da população sobre a importância de se reconhecer, preservar e ter acesso ao acervo existente.

Sesc Paço da Liberdade

Endereço: Praça Generoso Marques, 180

E-mail: pacodaliberdade@sescpr.com.br

Telefone: (41) 3234-4200

Igrejas ucranianas: arquitetura da imigração no Paraná

Igrejas Ucranianas: Arquitetura da Imigração no Paraná

Igrejas Ucranianas: Arquitetura da Imigração no Paraná

Este livro, editado através da Lei Rouanet, relata em detalhes a epopéia dos imigrantes ucranianos (segunda etnia mais numerosa no Paraná) e a importância das capelas tanto para os imigrantes de religião ortodoxa, que eram minoria, como para os católicos. Mesmo espalhados e isolados nos campos, todos tinham nas capelas e cerimônias religiosas seu ponto de encontro. Assim, essas igrejas erguidas pelo interior do Paraná tornaram-se o núcleo de preservação da cultura ucraniana. Seus pioneiros se mantiveram fiéis às suas raízes enquanto se integravam na terra nova que os abrigou.

BATISTA, Fábio Domingos; IMAGUIRE, Marialba Rocha Gaspar; CORRÊA, Sandra Rafaela Magalhães. Igrejas ucranianas: arquitetura da imigração no Paraná.   Curitiba: Instituto Arquibrasil, 2009.   407p.

Esta obra encontra-se disponível para consulta local na Biblioteca do Iphan/PR.
O acervo da biblioteca encontra-se disponível através do endereço http://iphanpr.phlnet.com.br
Para mais informações sobre os acervos e o agendamento de consultas:
Telefone (41) 3264-7971, no horário das 9h às 12h e das 14h às 18h ou pelo e-mail biblioteca.10sr@iphan.gov.br.
A sede estadual do Iphan em Curitiba fica na rua José de Alencar, 1808, no bairro Juvevê.