30ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade

rmfa

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) lançou a 30ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade.

Nesta edição o prêmio celebra seus 30 anos e também os 80 anos do Iphan, traz algumas novidades. O concurso selecionará oito trabalhos representativos de ações preservacionistas relativas ao Patrimônio Cultural, divididos em quatro categorias. O prêmio será atribuído a dois projetos por categoria, no valor de R$ 30 mil, para cada ação premiada.

Poderão concorrer ao Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2017 pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, que tenham desenvolvido ou estejam desenvolvendo ações voltadas para a preservação do patrimônio cultural brasileiro em qualquer lugar do território nacional e que tenham tido ao menos uma de suas etapas concluídas em 2016.

Os projetos participantes deverão ter relevância para a identidade, a ação e a memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira e ter como objeto os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, nos quais se incluem as formas de expressão; os modos de criar, fazer e viver; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico e científico.

Os trabalhos inscritos deverão ser entregues nas superintendências do Iphan nos Estados, até o dia 23 de maio de 2017. O resultado final do concurso será proferido pela Comissão Nacional até o dia 10 de agosto de 2017, mediante divulgação da ata de reunião no endereço eletrônico do Iphan.

Neste ano serão selecionados oito projetos, divididos em quatro grandes categorias:

Categoria I – Iniciativas de excelência em técnicas de preservação do Patrimônio Cultural: visa valorizar e promover iniciativas de excelência em preservação do patrimônio cultural material envolvendo ações de identificação, estudos e pesquisas, projetos, obras e medidas de conservação e restauro.

Categoria II – Iniciativas de excelência em processos de salvaguarda do Patrimônio Cultural: visa valorizar e promover iniciativas de excelência em salvaguarda do patrimônio cultural imaterial, envolvendo ações de identificação, documentação, estudos e pesquisas, reconhecimento e valorização.

Categoria III – Iniciativas de excelência em promoção do Patrimônio Cultural: visa valorizar e promover iniciativas referenciais que objetivem comunicar, interpretar, divulgar, difundir, e educar para o patrimônio cultural, material e/ou imaterial, para as atuais gerações.

Categoria IV – Iniciativas de excelência em gestão compartilhada do Patrimônio Cultural: visa valorizar e promover iniciativas referenciais que demonstrem o compromisso e a responsabilidade compartilhada para com a preservação e/ou salvaguarda do patrimônio cultural brasileiro.

Mais informações  acesse a matéria completa no link: http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/4070

Para o edital e anexos acesse:

http://portal.iphan.gov.br/editais/detalhes/135/premio-rodrigo-melo-franco-de-andrade-30a-edicao

Reunião do Comitê Gestor da Salvaguarda da Capoeira

Flyer Frente e verso 15x20 frente

A cidade de Guarapuava receberá, entre os dias 10 e 11 de abril de 2017, reunião do Comitê Gestor da Salvaguarda da Capoeira no estado do Paraná.

Realizado na Casa da Cultura de Guarapuava (Rua Alcione Bastos, nº 211, Centro), espaço cedido pela Prefeitura Municipal, o encontro será aberto a toda a comunidade interessada, e contará com a presença de capoeiristas e Mestres de Capoeira de diversas regiões do estado. Está confirmada a presença de integrantes do Comitê Gestor provenientes das cidades de Cascavel, Curitiba, Londrina, Maringá, Matinhos, Paranaguá, São José dos Pinhais e Toledo.

O Comitê Gestor da Salvaguarda da Capoeira no Paraná foi formado em novembro de 2012, tendo sua primeira composição renovada entre novembro e dezembro de 2015 numa série de 4 encontros regionais (cartazes em anexo). Nesses encontros, os capoeiristas participantes se credenciaram para escolherem os representantes de suas respectivas regiões (Oeste, Norte e Litoral, além de Curitiba e Região Metropolitana Estendida). Depois de passar por várias regiões paranaenses ao longo desses 4 anos de existência, será a primeira vez que uma reunião desse comitê será sediada num município da região central do estado.

O comitê vem atuando como colegiado consultivo e orientador das ações de valorização e salvaguarda da Capoeira realizadas pelo Iphan no Paraná, decorrentes do compromisso assumido quando do reconhecimento da Roda de Capoeira e do Ofício dos Mestres de Capoeira como “Patrimônio Cultural Brasileiro” de natureza imaterial, em 2008. Além desse reconhecimento pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), órgão do governo federal ligado ao Ministério da Cultura, a Roda de Capoeira também foi chancelada em 2014 como “Patrimônio Imaterial da Humanidade” pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).