Projeto Atlas Eletrônico do Patrimônio Cultural da Lapa encerra a fase das oficinas

lapa

O ciclo de atividades previstas para o Projeto Atlas Eletrônico do Patrimônio Cultural da Lapa, aprovada pela Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, foi encerrado em agosto,  no Museu Casa Lacerda, Lapa – PR.

As próximas ações serão o término da atualização do site do atlas, que terá  manutenção periódica, e a proposta de edição de um Atlas Escolar para alunos da educação básica.

Estas oficinas receberam os seguintes incentivos:

Realização – Lei Rouanet, do Ministério da Cultura.

Patrocínio – Grupo Potencial, Lar Lapeano de Saúde, Sophia Mariano Müller.

Apoio – Ana Taborda, Douglas Coelho Profissional Videomaker, Hotel Tropeiro, Santa Bárbara Produções, IPHAN-PR, Metalúrgica Bosch.

Foto do acervo do Iphan-PR

Museu do Tropeiro finaliza Projeto de Documentação Museológica

Reunião no Salão de Atos da Prefeitura Municipal de Castro

Reunião no Salão de Atos da Prefeitura Municipal de Castro

No dia 12 deste mês, foi concluído o Projeto de Documentação Museológica do Museu do Tropeiro de Castro.  A apresentação do relatório final do Termo de Compromisso firmado entre a Associação de Amigos do Museu do Tropeiro, o Iphan-PR e a Cargill aconteceu na Prefeitura Municipal. Participaram o Prefeito Reinaldo Cardoso; funcionários e estagiários do Museu do Tropeiro; o Procurador Geral do Município, Ronie Cardoso Filho; a Diretora Municipal de Cultura, Gisele Coradassi; a Presidente da Associação de Amigos do Museu do Tropeiro, Léa Maria Cardoso Villela; o Superintendente do Iphan-PR, José La Pastina Filho; a responsável pela gestão de patrimônio arqueológico do Iphan-PR, Alessandra Spitz;  o plant controller da Cargill, Bruno Cesar Gomide; e o superintendente de meio ambiente da Cargill, Thiago Molina.

O Museu do Tropeiro é o memorial do ‘Pouso de Tropeiros’ que originou a cidade de Castro. Esse museu foi fundado em 1976 pela saudosa professora Judith Carneiro de Mello, que idealizou, organizou e dirigiu o Museu até o fim da sua vida.

No  projeto de documentação museológica foi realizada a documentação de 2.494 peças do Museu do Tropeiro, que integram as exposições e a reserva técnica. O trabalho foi realizado por funcionários e estagiários que trabalham no Museu. Segundo a Coordenadora do Museu do Tropeiro, Amélia Podolan Flügel: “Ao fazer a catalogação de todas as peças, trabalho que durou um ano, aprendemos a fundo sobre o acervo do Museu do Tropeiro, as características das peças, utilidade, o contexto no qual eram utilizadas. Hoje, além da documentação de tudo isso, o nosso conhecimento sobre o material é muito maior e temos condições de fazer uma explanação muito mais rica e detalhada sobre as exposições aos visitantes do Museu”.

O ‘Projeto de Documentação Museológica do Museu do Tropeiro’ é uma iniciativa do Museu do Tropeiro para dar cumprimento à Lei Federal nº 11.904/2009. Assim, o Museu do Tropeiro enfatizou a regulamentação da legislação pertinente ao seu funcionamento, através da aprovação da Lei Municipal nº3075/2015 e também a sistematização da documentação museológica. Para tanto, firmou-se uma parceria entre o Iphan-PR, órgão supervisor do projeto; a Associação de Amigos do Museu do Tropeiro, gestora dos recursos financeiros; a Prefeitura Municipal de Castro, que forneceu os estagiários e servidores para execução do Projeto; e a empresa Cargill S/A, financiadora do projeto.

A maior parte do acervo do Museu se encontra exposta em dois locais distintos: na sede, que apresenta a exposição Tropeirismo, onde o foco é o cotidiano da lida tropeira e na exposição Casa de Sinhara, seccional do Museu, que expõe os objetos relativos ao ambiente doméstico do séc. XIX e até meados do XX. A historiadora e  funcionária do museu, Milena Santos Mayer, explica que o processo de decodificação e catalogação do acervo foi feito em todas as peças, com a descrição, medição e a busca da procedência de cada objeto. Após essa etapa, os dados foram inseridos em programa digital, para segurança e agilidade na consulta, atestado e comprovação pública da posse do acervo. Os bens foram inscritos no Livro Tombo do Iphan-PR e posteriormente o Decreto Municipal nº 618/2015 legitimou os bens culturais como Patrimônio Público Municipal.

O acervo arqueológico do Museu do Tropeiro recebeu atenção do arqueólogo e consultor Igor Chmyz na identificação dos itens em salvaguarda, além de estudo do contexto ambiental e humano e de origem das peças. A avaliação dos itens permitiu uma nova expografia do acervo, enriquecido pelo painel informativo com a história da ocupação humana no Paraná, enquanto a pesquisa para a reorganização do acervo arqueológico propiciou a aquisição de conhecimentos a serem repassados à sociedade em futuras ações educativas.

Visite o Museu do tropeiro!

Horário de visitação: 2ª a 6ª-feira das 08:00 às 17:00 h; fone: (42) 3906-2179; e-mail: museudotropeirocastro@hotmail.

Fonte: www.castro.pr.gov.br; http://museudotropeirocastro.blogspot.com.br/

Fotos do acervo do Iphan-PR

Tom nº 1, uma revista eletrônica da UFPR

Já está disponível para acesso online o caderno de ensaio TOM nº 1, que aborda o tema festivais de cultura por meio de textos e imagens.

O tema dessa primeira edição são os festivais, que articulam as diferentes visões sobre a diversidade cultural e atuam como mediador entre as práticas culturais e artísticas e acesso aos direitos culturais.

TOM

Segundo a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UFPR – Proec, a proposta do caderno é criar um espaço para a crítica e reflexão por meio de ensaios sobre temas específicos relacionados à arte e à cultura. De periodicidade semestral, o editorial digital pretende abordar a articulação entre cultura e arte a partir da perspectiva definida pelos curadores e curadoras de cada edição. Desenvolvida pela equipe da Coordenadoria de Cultura da Proec/UFPR, a ação busca promover e fazer circular a crítica e a reflexão a respeito das produções artísticas e culturais, com foco no respeito à diversidade cultural e à cidadania.

fonte da informação: UFPR

Semana do patrimônio

Semana do PatrimônioIniciou-se a Semana do Patrimônio!

Este ano o tema será ‘Os 15 anos da Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial’.

Até o próximo sábado, o site do Iphan estará apresentando artigos, vídeos, publicação do Decreto 3.551 e muito mais.

Para participar da Semana do Patrimônio, basta enviar um e-mail com seu artigo, imagem ou outro material sobre o Patrimônio Cultural Imaterial para: comunicacao@iphan.gov.br

Paticipe!

MinC lança editais para fortalecer ações nos municípios

Seminário de Patrimônio Imaterial e Cultura Afro-Brasileira_Fotos Fernando Augusto Mazzatto

Seminário de Patrimônio Imaterial e Cultura Afro-Brasileira – 2012

O Ministério da Cultura lançou quatro editais com investimento total de R$ 15 milhões, para contemplar até 97 projetos culturais de prefeituras ou de seus órgãos, da administração direta ou indireta, com recursos do Sistema Nacional de Cultura.

O período para as inscrições será de 17 de agosto a 30 de setembro de 2015. Os projetos contemplados deverão ter período de execução de até 24 meses.

Para se inscreverem, os municípios deverão estar com seus Acordos de Cooperação Federativos vigentes e com seus Sistemas Municipais de Cultura instituídos por leis próprias publicadas, ou ao menos com o projeto de lei finalizado.

Os editais foram lançados  por meio  das Secretarias  da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC) e da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAv/MinC); da Fundação Cultural Palmares; e da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB).

Saiba mais sobre cada um desses editais no link: http://www.cultura.gov.br/noticias-destaques/-/asset_publisher/OiKX3xlR9iTn/content/id/1281000

foto de Fernando Augusto Mazzatto

Lançamento do livro “Centro histórico: entre a preservação e a dinâmica urbana”

Convite Leticia Nardi

O livro “Centro histórico: entre a preservação e a dinâmica urbana” da arquiteta e urbanista Letícia Nardi será lançado em agosto nas cidades de Curitiba e Paranaguá, no Paraná.

No dia 13 de agosto, o lançamento será na Livraria Saraiva do Shopping Cystal Plaza, em Curitiba.

No dia 14 de agosto, o lançamento acontecerá na Casa Dacheux, localizada na Rua Conselheiro Sinimbu, Centro Histórico, na frente da Catedral Nossa Senhora do Rosário, em Paranaguá.

A arquiteta  tem como objeto de análise o centro histórico de Paranaguá, tombado pelo Iphan desde 2009. Para compreender de maneira mais ampla o centro histórico no contexto das cidades contemporâneas, a autora analisa a relação entre os valores atribuídos a esse bem cultural pela visão própria do campo do patrimônio e os valores construídos no interior desse espaço urbano que é cotidianamente praticado por seus usuários.

Partindo do campo patrimonial, que considera os centros históricos como os testemunhos mais tangíveis da diversidade cultural, religiosa e social da humanidade, o texto agrega conceitos da arquitetura e urbanismo e da antropologia urbana com o intuito de imprimir uma visão abrangente e interdisciplinar que auxilie na compreensão da relação entre os aspectos materiais e subjetivos inerentes ao patrimônio urbano.

Na análise da dinâmica urbana são considerados os usos que ocorrem no centro histórico de Paranaguá, investigados a partir de observações in loco, interlocuções com os praticantes ordinários da cidade, entrevistas, documentos e registros audiovisuais; mas também uma dinâmica de permanências e transformações referenciada em dados históricos, geográficos, iconográficos e jurídicos, focando três temas: a relação da cidade com o Rio Itiberê, as trocas comerciais e a religiosidade.

Essa perspectiva reúne aspectos que fazem parte de um universo pouco explorado na gestão dos centros históricos, imprescindível a uma compreensão mais ampla desse espaço urbano, visando o estabelecimento de uma postura mais mediadora nas decisões a respeito do patrimônio urbano.

Venha prestigiar o lançamento deste livro!