Iphan abre inscrições para processo seletivo do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural

Pep

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional lançou o Edital de Seleção do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural do IPHAN (PEP/MP/IPHAN) – 2013, que oferece 20 bolsas de estudos.

O Mestrado Profissional destina-se a formar, durante 24 meses, profissionais graduados em diversas áreas de conhecimento para atuarem no campo da preservação do patrimônio cultural. O curso associa as práticas de preservação nas unidades da Instituição, distribuídas no território nacional, ao aprendizado teórico-metodológico e à pesquisa.

As inscrições estão abertas até o dia 30 de abril de 2013 e o início das atividades dos candidatos selecionados será dia 01 de agosto de 2013, conforme determinações do Edital do PEP/MP/IPHAN, disponível no Portal do IPHAN: www.iphan.gov.br.

Fonte: Ascom – Copedoc

Livro A Arquitetura Italiana em Curitiba será lançado na próxima quarta-feira

PrintLivro A Arquitetura Italiana em Curitiba será lançado no dia 03/04

Estudo resgata as influências arquitetônicas trazidas pelos imigrantes italianos às construções de Curitiba

Fruto de extensa pesquisa realizada pelos arquitetos Ana Carolina Mazzarotto e Fábio Domingos Batista, o livro A arquitetura Italiana em Curitiba traz como tema principal as edificações dos imigrantes italianos na região de Curitiba, entre o período de 1870 a 1930. O objetivo principal do estudo é a preservação de uma memória construtiva curitibana que se relaciona com a paisagem de uma cidade em transformação, ainda com fortes características rurais.

Após ampla pesquisa histórica e bibliográfica os autores dividiram o trabalho de execução e produção do livro em três etapas. Na primeira foram analisados os remanescentes da arquitetura do imigrante italiano em Curitiba, especificamente a arquitetura residencial e arquitetura sacra. Também foi pesquisado o Panteão do Cemitério de Santa Felicidade, devido a sua singularidade.

Para a segunda etapa, os autores realizaram estudos na Itália com o objetivo de buscar as referências construtivas existentes no período da emigração. Foi realizado um levantamento na Região do Vêneto, nas cidades de origem da grande maioria dos imigrantes que se fixaram em Curitiba. Este estudo possibilitou a análise comparativa entre a arquitetura produzida na Itália e a arquitetura do imigrante italiano em terras curitibanas, que foi realizado durante a terceira etapa.

O livro proporciona uma visão técnica sobre a produção arquitetônica destes imigrantes e possibilita ao leitor um passeio por uma Curitiba do passado, ainda com traços rurais e com uma população estrangeira em processo de assimilação. Os poucos remanescentes desta ocupação estão hoje presentes em alguns bairros da cidade. São em sua maioria velhos casarões de tijolos, construídos ao longo das antigas estradas rurais. E também igrejas com altas torres sineiras, destacadas do edifício sacro, construídas ao modo vêneto e seguindo a tradição ancestral.

 

LANÇAMENTO:

Data: 03 de abril de 2013

Local: CAIXA Cultural

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280 –Curitiba (PR)

Hora: 20:00

EXPOSIÇÕES:

22 de março a 02 de abril de 2013

Farol do Saber Aparecido Quináglia

Rua Alcides Darcabchy, s/n – Santa Felicidade – Curitiba

Farol do Saber Machado de Assis

Rua Arthur Leining, 635 – Vista Alegre – Curitiba

02 a 09 de abril de 2013

Farol do Saber São Pedro e São Paulo

Rua Luiz Nichele, 99 – Umbará – Curitiba

Farol do Saber Dante Alighieri

Rua Zem Bertapelle, 55 – Santa Felicidade – Curitiba

09 a 16 de abril de 2013

Farol do Saber Aristides Vinholes

Rua 1° de Maio, 1206 – Xaxim – Curitiba

Farol do Saber Tom Jobim

Rua Curupatis, 1449 – Santa Quitéria – Curitiba

16 a 23 de abril de 2013

Farol do Saber Rocha Pombo

Rua Itacolomi, 700 – Portão – Curitiba

Farol das Cidades

Praça da Pedreira Paulo Leminski – Pilarzinho – Curitiba

Novo edital do IPHAN apoiará projetos voltados à cultura afrodescendente

Folder crespial brasil_corrigido_2

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) lança edital com a finalidade de apoiar manifestações e práticas culturais relativas ao patrimônio imaterial de populações afrodescendentes. Os projetos deverão envolver ações de mapeamento, pesquisa, produção bibliográfica e audiovisual; ações educativas, formação, capacitação e transmissão de saberes; apoio à organização e à mobilização comunitária, à promoção da utilização sustentável dos recursos naturais, entre outras que se relacionem ao universo da música, canto e dança e contribuam para a continuidade da existência de bens culturais imateriais e/ou para a gestão participativa e autônoma da preservação de práticas tradicionais referenciais de comunidades afrodescendentes no território brasileiro.

A realização do Projeto de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial relacionado à música, canto e dança de comunidades afrodescendentes localizadas no território brasileiro integra a participação do Estado brasileiro no âmbito do projeto Salvaguarda do patrimônio cultural imaterial relacionado à música, canto e dança de comunidades afrodescendentes na América Latina, proposto pelo Centro Regional para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial da América Latina (CRESPIAL), Centro de referência 2 da UNESCO, do qual participam 13 países da América Latina e Caribe, comprometidos com a execução de experiências‐piloto de salvaguarda do patrimônio cultural imaterial afrodescendente em suas abrangências nacionais.

Consulte o edital no portal do Iphan: www.iphan.gov.br

Para outros esclarecimentos, os interessados podem procurar o Departamento de Patrimônio Imaterial (DPI/IPHAN) enviando e-mail para Desirée Tozi (desiree.tozi@iphan.gov.br) ou para Paulo Peters (paulo.peters@iphan.gov.br).

Mais informações para imprensa:
Assessoria de Comunicação IPHAN
comunicacao@iphan.gov.br
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
Mécia Menescal – mecia.menescal@iphan.gov.br
(61) 2024-5526 / 2024-5527

Eram as telhas feitas nas coxas das escravas?

Você já deve ter ouvido a expressão “feito nas coxas”, usada para designar objetos ou trabalhos de má qualidade, feitos sem capricho ou simplesmente mal feitos.  Uma das explicações mais correntes sobre a origem desta expressão remete a fabricação de telhas no período colonial no Brasil. Supõe-se que as telhas seriam moldadas nas pernas dos escravos e escravas e que por este motivo assumiriam formas irregulares, sem padronização. Como as telhas não se encaixavam bem umas às outras, resultavam num telhado imperfeito.  Mas será mesmo que as telhas eram feitas nas coxas das escravas?

Com base em pesquisas e obras de restauração realizadas desde a década de 1970, o arquiteto e Superintendente do Iphan no Paraná, José La Pastina Filho, explica o processo de fabricação das telhas do tipo capa e canal e desmistifica a questão.

Leia o artigo: Eram_as_telhas_feitas_nas_coxas_1_[1]